O fogo pagou

“Fogo pagou..tem dó de mim
o menino matou a rolinha
torrou a bichinha, comeu com farinha…gostou
Fogo pagou!”

 

Da vida sertaneja nada faltou no cantar de Luiz Gonzaga. “Fogo pagou” é mais uma das suas, que faz do lamento do povo o canto de um lugar:
“Todo mundo lamenta a desgraça que a gente passa num dia de azar
Mas se disso tirar bom proveito sorrir satisfeito fingindo chorar.”

 

Pio IX cantou “fogo pagou” pra aperrear uma “bichinha” que nem pena tinha. E se é digna de pena nem sei. O certo é que Ritinha (foto) sabia que não era rolinha, mas tinha talvez medo que a comessem com farinha… ou não… besteira minha! Ritinha é só doida e pronto!
Mas e a loucura o que é? Diz Ana Carolina que “a loucura não existe/ a loucura esta em todos os lugares ao mesmo tempo/ Normal é o tédio dos dias sem graça/ que as pessoas fazem pra elas mesmas.” Ritinha não suportou o inexpressivo cotidiano da vida, dos dias sem graça, e inventou uma linguagem que desse vazão ao abstrato próprio da existência – da sua existência!
 

 

 

 

“a verdade da loucura é ser interior à razão, ser uma de suas figuras, uma força e como que uma necessidade momentânea a fim de melhor certificar-se de si mesma”. (Foucault, 1997: 36).

 

 

 

Leitura Poética:

na primeira janela

josé celso martinez correa de saia

em outra

um dedo para o alto

um dedo anelado

um sorriso envergonhado

há rugas no caminho da pele

há cárie no dente solitário

na janela aberta um corpo

um rosto

um sorriso

a arte de viver segue o risco

o claro-escuro

o beco

o reboco cai em tom seco

tudo é sertão e árido

o cabelo é branco

o sorriso é manso e sereno

sábio

o close é raro

intui-se uma história sendo contada

a vida revirada revolta como cabelo assanhado

e uma unha saindo do relevo da sala

Por Otacílio Batista Nétto

 
Abaixo foto de uma Columbina squammata – “fogo-apagou”, nome (onomatopéico) que traduz o canto desta ave, um dos sons mais ouvidos na caatinga, abominado por Ritinha.

 

 

 

3 thoughts on “O fogo pagou

  1. Marquito, fiz as fotos num mês de maio, e o papo aí era sobre cobras. Todas as aparições foram narradas…Dá vontade de chorar mesmo, e não é de pena…é de…sei lá! Talvez sejam essas sensações que o José Celso Martinez Corrêa quer arrancar da platéia. Pra que deixemos de ser sempre platéia…e SEJAMOS, simplesmente!

  2. O que ainda se pode dizer de suas fotos, Rosa?

    Essa série de fotos de Ritinha me tirou a voz, por pouco me tira o fôlego. Então, antes que disto eu morra, me calo, nada digo e apena sinto…

  3. na primeira janela
    josé celso martinez correa de saia
    em outra
    um dedo para o alto
    um dedo anelado
    um sorriso envergonhado
    há rugas no caminho da pele
    há cárie no dente solitário
    na janela aberta um corpo
    um rosto
    um sorriso
    a arte de viver segue o risco
    o claro-escuro
    o beco
    o reboco cai em tom seco
    tudo é sertão e árido
    o cabelo é branco
    o sorriso é manso e sereno
    sábio
    o close é raro
    intui-se uma história sendo contada
    a vida revirada revolta como cabelo assanhado
    e uma unha saindo do relevo da sala

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *