O que é, o que é?

Redondinho como uma bola?
Se encaixa como num quebra-cabeça?
 
Eu era criança quando vi um desses pela última vez, numa época em que meu pai fazia da pesca e da caça um momento de glória. Sorte que ele tenha vivido o bastante, a tempo de entender que enfiar essa bolinha num saco é “ilegal, imoral e engorda”. Não sei quantos desses ainda sobrevivem no Piauí, se até na Serra da Capivara ele é caçado, mesmo com o esforço de proteção da arqueóloga Niède Guidon, presidente da Fundação Museu do Homem Americano (Fundham). Li uma reportagem noticiada em jornais de grande circulação sobre o conflito pela terra naquela região, e me chamou atenção uma declaração de um conterrâneo (de Pio IX-PI) – Paulo Gustavo de Alencar (o Bia), coordenador da Divisão Técnica do Incra no estado do Piauí, quando dizia que era uma questão de sobrevivência para os habitantes daquele lugar, a caça aos tatus e capivaras. Bom, podemos falar sobre essas tais regras do jogo dos homens numa outra oportunidade, pois agora vamos ao nosso jogo de figurinhas.

E aí, O que é?

Encontrei essas pecinhas encaixadas aqui no município de Pio IX – PI, na localidade de Boqueirão, sob posse de Nandinho de Fatinha de Fernando. Ele ganhou esse presentinho e guardou para devolvê-lo, de volta ao seu habitat natural. Antes de subir a Serra para soltá-lo de vez, me deixou brincar de pega-pega com a bolinha. Então, já sabem o que é?

 

 

 

 

É isso mesmo! O Tatu-bola, o menor tatu do Brasil! Espécie própria da caatinga, pronto para se defender ele se enrola formando uma bola. Sua carapaça articulada se encaixa como num quebra-cabeça.
Nome científico: Tolypeutes tricinctus
Tamanho: 50 centímetros
O que come: Formigas, escorpiões, frutas, ovos.
Crias: Um, no máximo dois filhotes
 

Leitura Poética

Queimaram
meu tatu-bola
torraram o meu tatu
vamos plantar um bosque
para criar tatu

 Assaram o meu queixada
crestaram o meu caititu
vamos plantar um bosque
para criar tatu

Na serra não tem cutia
tatupeba e teiú
vamos plantar um bosque
para criar tatu

Sumiu a zabelê
chumbaram o meu jacu
vamos plantar um bosque
para criar tatu

Por José de Alencar Bezerra (Zezim Cego)

Quando projetos da SUDENE promoviam queimadas nas serras de Pio IX, Zezim fez a canção ecológica “Deixe o tatu viver” para alunos do ensino fundamental da U.E.Francisco Suassuna de Melo.
BEZERRA, Francisco das Chagas – O Povo, Jornal do Leitor. Fortaleza (16 Abril 2000) 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *